Data Visualization, Design

O que fazer com o lixo eletrônico?

Desde 2011 quando comecei a trabalhar com robótica educacional no projeto Robô Livre uma das premissas era adicionar lixo eletrônico no trabalho com os meninos. Ou seja, incentivar o processo de construir, experimentar, reconstruir com o que já existe por aí… bem no processo do faça-você-mesmo e do movimento maker.

Foi a partir deste trabalho com a robótica que surgiu a oportunidade de trabalhar em um projeto com a Fundação Joaquim Nabuco e com a Professora Lucia Xavier sobre gestão de lixo eletrônico. Esse trabalho influenciou uma série de iniciativas que fizemos em conjunto nos anos seguintes. Em 2014 nós publicamos o livro Resíduos Eletroeletrônicos na Região Metropolitana do Recife – Guia prático para um ambiente sustentável que chegou ao download número 500 nos últimos dias, o que nos deixa muito orgulhoso.

Em 2015 acabou acontecendo duas coisas muito legais. A primeira delas foi o vídeo Logística Reversa de Eletroeletrônico no Brasil, que mostra um pouco do que estávamos realizando no projeto e também informando uma série de iniciativas, leis e regras a serem seguidas com o descarte do eletroeletrônico no Brasil. Na sequência eu fui convidado para fazer uma palestra com essa temática no TEDxPortalDoSol, lá em João Pessoa, onde pude nos 20 minutos de fala, contar um pouco mais do que tinha acontecido na trajetória do projeto junto ao MIT.

Em 2014 tive a oportunidade de participar de um debate sobre lixo eletrônico na JCNews em Recife e em 2015 rolou uma entrevista na CBN de João Pessoa falando sobre esta temática:

No meio de 2016 eu e a Professora Lucia participamos de um programa na TV Universitária em Pernambuco sobre a temática do lixo eletrônico:

Esse é um trabalho que precisa continuar, ainda falta muito a ser feito para incentivar o processo de logística reversa para os eletroeletrônicos no Brasil. Temos muitos desafios ainda a serem enfrentados. Agradeço a Profa. Lucia por ter me incentivado a pesquisado pelo tema e ter contribuído da melhor maneira que pude para essa temática no pais.

Padrão
Data Visualization

Visualizing Cities 2016

habitat III
Está rolando a chamada de trabalhos de novas maneiras de explorar o futuro das cidades para o Visualizing Cities: http://cityvis.io/
Este evento da ONU tem interesse em reunir uma série de projetos de como podemos visualizar de maneira mais realista nossas cidades. Vai ser exposto na Habitat III 2016 (https://www.habitat3.org), em Quito, no Equador agora em outubro. É o maior evento organizado pela ONU no ano.
Eu estou fazendo parte da equipe que vai avaliar os projetos, então quem puder ajudar na divulgação deste projeto, seria muito legal. Tem MUITA gente boa de várias partes do mundo colaborando: http://cityvis.io/organizers.html
Padrão
Data Visualization, Design

Campus Party Brasil 2016 #design

Este ano assumi novamente a curadoria de design da Campus Party Brasil. Diferente de outros anos que foquei apenas em visualização de dados, este ano explorei outras temáticas do design e convidei profissionais de User experience (UX), Design Thinking, Web, Computação física, ilustração digital e design editorial.

Vou separar aqui uma agenda para vocês acompanharem o que vai acontecer. Quem não estiver aqui na Campus, poderá acompanhar através do link de cada atividade via streaming em tempo real (verifica o horário da atividade que sempre estará no horário de Brasília):

Dia 27 (quarta-feira)
14:30 Estudo de caso: Experiences.life – Da concepção ao lançamento

O Experiences.life é um concierge digital que tem como objetivo possibilitar para amantes da alta gastronomia, inesquecíveis experiências. Nesta palestra, Neto Leal, diretor de tecnologia do Experiences, irá fazer um panorama sobre os desafios de empreender nessa área. Quais desafios do ponto de vista criativo foram enfrentados durante a concepção do projeto e como a equipe trabalhou junta para ultrapassá-los. Um papo sobre criação, desenvolvimento, tecnologia e estratégias de comunicação além de um raio-X no desenvolvimento de um aplicativo mobile multiplataforma da idéia ao lançamento.

Neto Leal. Programador e Empreendedor. Iniciou carreira na tecnologia no final dos anos 90. Fez carreira com desenvolvimento para internet, focando em sites publicitários. Passou por diversas grandes agências de publicidade até que entrou no mundo de startups. Criou uma rede social de música e hoje é co-fundador da Liga. Uma startup que tem como principal produto o Experiences.life. Uma plataforma móvel de experiências únicas em gastronomia que liga o consumidor que quer ter tratamento VIP em restaurantes e estabelecimentos de alto nível.

Dia 28 (quinta-feira)
11:45 Design e tecnologia: processo, exemplos e oportunidades

Design e tecnologia é uma dupla eficiente para solucionar problemas, gerar demandas e novas oportunidades. O momento atual é de surgimento de novas tecnologias que começam a se viabilizar tanto por características técnicas e de escalabilidade quanto pelo custo de implementação mais acessível. A palestra pretende abordar o processo de design levando em conta a tecnologia como etapa importantíssima aliada à atitude “faça você mesmo”. Através de projetos do autor será exposto o papel do design de tecnologia, qual o reflexo na percepção do usuário, do ecossistema que o envolve e o seu impacto nos negócios.

Andrei Speridião é designer formado pela FAU-USP. Envolvido desde 2005 com design e tecnologia, sua carreira começou na computação gráfica, seguindo para realidade virtual, games, objetos físico-digitais (IoT) e novas mídias. Co-fundou e liderou a Iceland 2nd Nation, unidade da FLAGCX focada em P&D e atualmente é designer na Questto|Nó. É também o criador do projeto Bueiros Conectados, que pretende melhorar a condição dos bueiros da cidade combatendo enchentes e acidentes de forma colaborativa (Premio IDEA / Brasil 2014).

14:30 Os mineiros globais da DesignThinkers Group

Um pouco da história dos mineiros que montaram uma consultoria de UX como desculpa para fazer um projeto social, que os conectou com uma consultoria global de Design de Serviços e os fez virar professores.

Eduardo Loureiro Cofundador da DesignThinkers Group e da DesignThinkers Academy no Brasil, da Voël (Pesquisa e Design de Produtos Digitais), do Mozaiko (Educação e Inovação Social) e do Business Jam (Laboratório de Empreendedorismo). É professor em programas de pós-graduação e no Mesha Lab. Foi um dos pioneiros nos estabelecimento das disciplinas de User Experience Design no Brasil. Trabalha para grandes empresas e instituições como FDC, Porto Seguro, SEBRAE, Google, entre outras.

Marcos Paulo Machado Cofundador da DesignThinkers Group e da DesignThinkers Academy no Brasil, da Voël (pesquisa e design de produtos digitais) e Mozaiko (Educação e Inovação Social) facilitador de workshops de inovação, é especialista em Design de Interação com 10 anos de experiência na área, além de ser líder local da Associação Internacional de Design de Interação (IxDA).

15:30 TESTR: como criamos um serviço de teste de usabilidade remoto automatizado com a Elisa Volpato

Dia 29 (sexta-feira)
10:30 “Make something you love”

Entender as necessidades dos usuários, a seriedade dos problemas dos clientes e descobrir gaps em seus processos são alguns dos requisitos essenciais para a criação de experiências excelentes para os usuários. Na palestra “Make something you love”, a diretora de UX da Huge Laura Lessa mostra a importância desta abordagem e ressalta o seu papel estratégico para o alcance de bons resultados de negócios a partir de exemplos de projetos digitais desenvolvidos na agência. A ideia é mostrar como uma experiência centrada em usuários é a única forma possível de alcançar soluções boas para as pessoas e, ao mesmo tempo, adequada ao modelo de negócio de clientes.

Laura Lessa é diretora de User Experience no escritório brasileiro da Huge, responsável por pesquisa e estratégia. Fez graduação na UFRJ e na Middlesex University, tem mais de 10 anos de experiência em Design da Arquitetura da Informação para websites e mobile apps. Trabalhou no Reino Unido e na Índia, participou de projetos para AOL, Coca-Cola e Petrobrás

15:15 Mini Rio: 100 miniaturas da cidade do Rio de Janeiro

O palestrante falará sobre o desenvolvimento do projeto mini Rio, que constitui uma enorme coleção de pictogramas e ilustrações criados para apresentar visualmente o patrimônio cultural da cidade do Rio de Janeiro. Central do Brasil, Bate-Bola, Gentileza, Feijoada, Vila Mimosa, Jogo do Bicho, Funk, Circo Voador, Altinha, São Jorge, Posto 9, Caveirão… São 100 miniaturas da cidade, mais 100 mini pictogramas complementares, 60 ilustrações derivadas, 2 fontes para download, um site, um vídeo, um livro em construção e muitas aplicações por vir. O projeto é uma iniciativa independente, levou cerca de 17 meses pra ficar pronto e transformou-se numa excelente oportunidade para pesquisar novas histórias e ferramentas profissionais.

Fabio Lopez é carioca, designer e mestre pela ESDI/UERJ, e professor da PUC-Rio. Em 2015 publicou o projeto mini Rio, uma homenagem e um extenso exercício de representação visual que resultou na criação de mais de 200 pictogramas e padronagens sobre a cidade do Rio de Janeiro. É autor dos projetos War in Rio, Bando Imobiliário Carioca e Batalha na Vala, tríade de paródias que aborda o tema da violência urbana na cidade do Rio de Janeiro. Trabalhou na criação da marca dos Jogos Olímpicos ‘Rio 2016’ e desenvolveu a identidade visual do Centro Carioca de Design. Acredita que o design gráfico é um poderoso instrumento de produção cultural e discussão política, e atua como profissional independente em projetos de tipografia, identidade visual, moda e ilustração. Atualmente integra o conselho curador da Bienal Tipos Latinos e desenvolve selos postais para os Correios. É palestrante, consultor, escreve coisas estranhas e não larga o caderno.

16:30 Mesa redonda sobre visualização de dados no Brasil

Nesse papo serão abordadas curiosidades sobre os trabalhos desenvolvidos no Brasil e tentar fazer um paralelo com a produção global. Como, onde e em que temática os trabalhos de visualização de dados estão sendo executados, quais as tendências e possibilidades tecnológicas para os próximos anos.

Rodrigo Medeiros é designer de interação. Professor do Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico do IFPB – campus Cabedelo e doutorando em Ciência da Computação pela UFPE. É fundador da BRU! Design de interação – associação sem fins lucrativos que incentiva a prática do design de interação no Nordeste e organizou como Curador Geral o Interaction South America 2013, em Recife. Atualmente é curador de visualização de dados da Campus Party Brasil.

Natália Mazotte é coordenadora da Escola de Dados no Brasil e co-fundadora da Jornalismo++, primeira agência brasileira de jornalismo de dados. Tem mestrado em Comunicação pela UFRJ e pós-graduação em Comunicação Estratégica Digital pela Universidade Pompeu Fabra (Espanha). É jornalista e assistente em cursos massivos no Centro Knight para o Jornalismo nas Américas.

Marco Túlio Pires jornalista e programador com formação em Engenharia Elétrica pela PUC-MG, e Jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais. Coordena a rede global da Escola de Dados e é co-fundador da Jornalismo++, primeira agência brasileira de jornalismo de dados. Fez pós-graduação em visualização de dados e gestão de projetos na Universidade de Michigan e Universidade Georgetown.

Tiago Veloso é o fundador do Visualoop.com, um espaço digital dedicado ao que de melhor se faz em`infografia e visualização de dados no Brasil e no mundo. Em 2014, o Visualoop foi adquirido pelo Infogr.am, empresa com sedes em Riga e São Francisco. Ele é Português, atualmente mora em Bonito (MS)

Dia 30 (sábado)
10:30 Infografia e visualização de dados

Nesta sessão você vai conhecer um pouco mais da história do Visualoop.com, um espaço digital dedicado à infografia e visualização de dados que já é referência internacional. É um percurso que ilustra bem os obstáculos e desafios que um projeto digital enfrenta para sair do zero absoluto até ao reconhecimento internacional, em apenas cinco anos e com o minimo de recursos.

O fundador do site, o português Tiago Veloso, vai compartilhar também as várias lições e aprendizados que acumulou sobre estratégias de construção de comunidade, amplificação e relacionamento em redes sociais que podem ser aplicadas em praticamente qualquer contexto corporativo ou individual.

Tiago Veloso é o fundador do Visualoop.com, um espaço digital dedicado ao que de melhor se faz em`infografia e visualização de dados no Brasil e no mundo. Em 2014, o Visualoop foi adquirido pelo Infogr.am, empresa com sedes em Riga e São Francisco. Ele é Português, atualmente mora em Bonito (MS)

14:30 Como a memória afetiva pode ser uma ferramenta poderosa para a direção de arte de projetos atuais

Apresentação de cases que incorporam influências de filmes, cartoons e games do anos 1980 e 1990 direcionados à comunicação com o público adulto.

Raul Aguiar é ilustrador e gosta de colocar toda a alegria que pode em cada uma de suas ilustrações. Suas imagens super coloridas remetem a uma infância recheada de games e cartoons.

Recifense, há cinco anos vive em São Paulo. Formado em Design (UFPE), atuou na área de Mídias Digitais da Trip Editora e atualmente trabalha como ilustrador editorial freelancer, produzindo capas e ilustrações internas para publicações como Superinteressante, Exame, Mundo Estranho, Folha de S. Paulo, Você S/A e Carta Capital. Recentemente ilustrou a coleção de livros infantis Fora de Cena, da Companhia das Letras. Em setembro de 2015 participou do Pictoplasma Academy em Berlim.

Estão também entre seus clientes a empresa Tam Linhas Aéreas, a revista norte-americana Fast Company, a francesa Usbek & Rica Magazine, a Editora Moderna e a Trip Editora.
Confira a agenda completa da Campus Party: http://brasil.campus-party.org/conteudos/agenda

Padrão
Data Visualization

Visualização de dados no CIDI 2015

Fui ao CIDI (Congresso Internacional de Design da Informação) pela primeira vez em 2015. O evento já acontece há algum tempo e sempre mostra o que tem mais se destacado nas pesquisas em design no Brasil, porém esse ano algo me empolgou demais para saber o que estava acontecendo.

A Fernanda Viégas, brasileira e grande pesquisadora da área de visualização de dados, veio palestrar no evento. Só isso era mais que suficiente para me fazer ir ao evento. Porém, fui recebido por uma série de boas surpresas durante o evento. O assunto, visualização de dados, foi um dos mais debatidos durante todo o evento. Além da Keynote da Fernanda, a pesquisadora britânica Teal Triggs (da Royal College of Arts) demostrou a metodologia que a Royal tem aplicado com seus alunos na temática da visualização de dados.

 

Projeto Wind Map

Projeto Wind Map, Fernanda Viegas

Quando chegamos na área de papers do evento mais uma surpresa: este ano tivemos 6 papers sobre visualização de dados no evento. Segue a lista:

Isso não só demonstra a maturidade que o tema começa a ter no Brasil, mas demonstra vários pólos sendo formados na ESDI, UFES, EBA-UFRJ, UFCG, UFPE e no IFPB. Além dessa imensidão de papers publicados, tivemos a possibilidade de conviver por alguns dias com outro grande nome da área no mundo a pesquisadora e professora Isabel Meirelles.

Isabel e Fernanda Viegas para mim eram grandes inspirações no campo acadêmico e acabaram, sem saber, influenciando todo meu repertório e projetos desenvolvidos até hoje. Conviver, por pouco tempo, alguns momentos e compartilhar experiências com elas, demonstrando como temos feito para divulgar a temática da data visualization no Brasil e receber apoio, é algo enriquecedor e que marca a trajetória feita até aqui.

Padrão
Data Visualization

Campus Party Recife 2015

Como anunciado no site do IFPB, esse ano eu assumo uma curadoria no Palco de Criatividade da Campus Party Recife 2015. Meu papel vai ser comandar a curadoria de Visualização de dados, como fiz em São Paulo em fevereiro. O objetivo será encontrar pesquisas e pesquisadores no NE que possam influenciar os projetos, inovações e a procura de recursos para pesquisas realizadas nessa área tão multidisciplinar que é visualização.

Até agora temos planejado 3 palestras e 1 workshop e tudo isso poderá ser visto no site da Campus Party pelo streaming durante o evento. Ainda não tem ingresso? Então corre lá no site e garante tua vaga.

 

Padrão